Carlos Paixão

Carlos Afonso Paixão Lopes é natural de Carapito, concelho de Aguiar da Beira, onde nasceu, em 25 de Julho de 1959, e concluiu o Ensino Primário.

Frequentou o Seminário das Missões, o Externato de Aguiar da Beira, o Colégio da Via-Sacra e o Liceu Nacional de Viseu.

É diplomado pela Escola do Magistério Primário de Viseu e licenciado em História pela Universidade de Coimbra.

Fez o Curso de Património Histórico-Artístico, Natural e Etnográfico do Centro Nacional de Cultura e Formação Pedagógica em Didática da Educação Física do 1º Ciclo do Ensino Básico.

Exerceu funções docentes nos concelhos de Castro Daire, Cinfães, Vila Nova de Paiva e, atualmente, é professor no Agrupamento de Escolas de Sátão. Reside nesta freguesia. É casado, tem dois filhos e uma neta.

Foi membro da Assembleia Municipal e vereador da Câmara Municipal de Aguiar da Beira.

Foi sócio fundador do Clube Cultural e Recreativo de Carapito, coordenador desportivo e seu dirigente.

Foi fundador, coordenador e treinador na Escola de Futebol da Associação Desportiva de Sátão.

É vice-presidente da Mesa da Assembleia Geral da Casa do Povo de Sátão.

Obras publicadas:
1. Nos Caminhos do Pão (1995)
2. Dias de Fazer (1.ª Ed. 1999, 2. Ed.ª 2000) – em coautoria com o irmão Tó-Zé Paixão
3. Aguiar da Beira – Roteiro Turístico (2000) – em coautoria com o irmão Tó-Zé Paixão
4. Por Minha Culpa (2002) – em coautoria com o irmão Tó-Zé Paixão
5. O Homem do Pelourinho (2004)
6. Lengalengas de Aprender a Ler (2006)
7. O Planeta Desterrado (2008)
8. A Tartaruga Atropelada (2009)
9. Santos da Porta (2011)
10. Sátão-Retratos da Nossa História (2011)
11. À Descoberta do Primeiro Santo – São Teotónio (2012)
12. Carapito: 500 Anos do Foral, Milénios de História (2014) – em coautoria com o irmão Tó-Zé Paixão
13. O Vento Bateu à Porta (2016)
14. Freguesia de Sátão… Olhares (2016)
15. A Terra do Arco-Íris ou do Arco-da-Velha (2019)
16. Associação Desportiva de Sátão, 50 Anos de História e de histórias (2020)
17. Contos do Meu Rosário (2021)

Figura121k13-o-vento-bateu-a-porta14-freguesia-de-satao-olhares